Você conhece os seus deuses? A esquecida mitologia brasileira

42 comments
os deuses dos índios brasil

Jeová, Thor, Zeus, Hórus, Júpiter... Você provavelmente já ouviu falar em todos eles. Mas alguma vez na vida você já parou pra pensar sobre os deuses das culturas nativas do Brasil? Ao que parece, nossa herança cultural nativa é sempre sub-julgada pelas culturas estrangeiras...

Por isso, nós do Curto e Curioso fizemos uma grande pesquisa e reviramos a internet de ponta-cabeça a fim de resgatar um pouco dessa história.

Durante nossa pesquisa, descobrimos informações valiosas no site 'Galeria do Meteorito', com suas matérias sobre as constelações indígenas, que nos ajudaram muito. E se você se interessa pelo assunto vale a pena visitar. Agora você terá a chance de conhecer um pouco da rica cultura dos nativos brasileiros, e de algumas das mais importantes divindades: os deuses dos índios do Brasil.

Nhanderuvuçu

Nhanderuvuçu
Conhecido também como Nhamandú, Yamandú ou Nhandejara, é considerado como o deus supremo da mitologia tupi-guarani. Nhanderuvuçu não tem uma forma antropomórfica, pois é a energia que existe, sempre existiu e existirá para sempre, portanto Nhanderuvuçú existe antes mesmo de existir o Universo. No princípio ele destruiu tudo que existia e depois criou a alma, que na língua tupi-guarani se chama "Anhang" ou "añã"; "gwea" significa velho(a); portanto anhangüera "añã'gwea" significa alma antiga. Nhanderuvuçú criou as duas almas e, das duas almas (+) e (-) surgiu "anhandeci" a matéria. Depois ele desejou lagos, neblina, cerração e rios. Para tudo isso, ele criou Iara, a deusa dos lagos. Depois criou Tupã que é quem controla o clima, o tempo e o vento, Tupã manifesta-se com os raios, trovões, relâmpagos, ventos e tempestades, é Tupã quem empurra as nuvens pelo céu. Nhanderuvuçú criou também Caaporã (Caipora) o protetor das matas por si só nascidas, e protetor dos animais que vivem nas florestas, nos campos, nos rios, nos oceanos, enfim o protetor de todos os seres vivos.




Iara

Iara deusa indigena
Deusa das águas, também conhecida como Uiara, ela é vista como uma linda sereia que vive nas profundezas do rio Amazonas, de pele parda, cabelos verdes longos e olhos castanhos.

Abaçai

Abaçai deus indigena
É o deus da guerra, um tipo de 'Áries' ou 'Marte' dos nativos. É o espírito guerreiro que se apossa do índio que se prepara para batalhas sangrentas. Por isso, dizem que aqueles preparados para a guera estão "abaçaiados".

Angra

angra deusa do fogo
A deusa do fogo da mitologia tupi-guarani.

Andurá

Andurá
Uma árvore fantástica e surreal, que a noite se inflama subitamente, se parecendo bastante com a forma através da qual o deus judaico-cristão se comunica com seus profetas.

Chandoré

Chandoré tupi
Deus da mitologia tupi-guarani. Segundo a lenda, teria sido enviado para matar o índio malvado Pirarucu, que desafiou Tupã, mas fracassou, pois Pirarucu se jogou no rio. Como castigo o índio transformou-se em um peixe, que leva o seu nome.

Sumé

sumé deus indigena
Também conhecido como Zumé, Pay Sumé ou Tumé, entre outros nomes, é a denominação de uma antiga entidade da mitologia dos povos tupis do Brasil cuja descrição variava de tribo para tribo. Tal entidade teria estado entre os índios antes da chegada dos portugueses, e transmitido uma série de conhecimentos como a agricultura, fogo e organização social, e seria uma espécie de deus das leis e das regras. Era visto com cabelos amarelos, voava por todo lugar, e inclusive mergulhava sob as águas do mar, até quando desapareceu. Sumé deixou dois filhos, Tamandaré e Ariconte, que eram muito diferentes e odiavam um o outro.

Rudá
Rudá deus do amor
O deus do amor, que vive nas nuvens. Seu trabalho é o de despertar o amor no coração das mulheres. Equivalente a deusa Hathor da mitologia egípcia, Vênus da mitologia romana, e Afrodite da grega.

Tupã
Tupã deus do trovão
Seria um tipo de líder na mitologia tupinambá, senhor dos trovões e tempestades. Em analogia simples, poderia ser comparado ao deus grego Zeus, ou mesmo ao deus nórdico Thor, pois ele compartilha a mesma explicação comum nos deuses dos povos antigos para os relâmpagos. Tupã também tem a característica da onipresença, que é muito comum nas religiões cristãs, judaica e islâmica. Os jesuítas, na época da colonização, difundiram uma opinião errônea de que o trovão em sí seria um deus indígena, sendo que na verdade, ele é apenas a maneira utilizada por Tupã para se expressar.

Jaci
Jaci deusa da Lua
A deusa da Lua e da Noite seria responsável pela magia e encanto dos homens. Teria sido criada por Tupã para dar beleza à Terra. Irmã de Iara (deusa dos lagos serenos), Jaci tornou-se esposa do próprio Tupã. Outras versões da mitologia indígena dizem que Jaci seria esposa e/ou irmã Guaraci, o deus Sol. Jaci é equivalente a Vishnu  dos hindus e Ísis dos egípcios.

Guaraci (ou Quaraci)
Guaraci deus Sol
Guaraci é a representação do deus Sol, responsável pela luz, vida e pureza do planeta Terra, assim como Brahma (hinduísmo) e Osíris (egípcio).

Yorixiriamori
Yorixiriamori
Esse deus encantava as mulheres com seu belo canto, o que despertou a inveja dos homens que tentaram matá-lo. Por isso, ele fugiu para o céu sob a forma de um pássaro. É um personagem do famoso mito "A árvore cantante", dos índios Ianomâmis.

Anhangá
Anhangá
Os jesuítas propagaram a imagem errônea de que Anhangá seria o equivalente ao Diabo da religião Cristã, porém, Anhangá (que significa espírito) seriam almas que vagam pela Terra, que podia assumir qualquer forma, mas que seria mais visto como um veado com olhos de fogo. Além disso, Anhangá seria o protetor dos animais, protegendo-os contra caçadores. Quando um animal consegue escapar miraculosamente durante uma caça, os índios atribuem tal façanha a Anhangá.

Jurupari
Jurupari
Filho da índia Ceuci, que após comer um fruto proibido para moças no período fértil (fruta mapati), ficou grávida miraculosamente, após o suco da fruta escorrer pelo seu corpo nu. Quando o conselho de anciãos soube da história de Ceuci, ela foi punida com exílio, onde teve seu filho, chamado Jurupari, enviado do deus Sol Guaraci, que teria como missão reformular os costumes e o modo de vida dos homens, que eram submetidos às mulheres. Visto como o grande Legislador, com 7 dias de vida já aparentava 10 anos de idade, e sua sabedoria atraiu as pessoas que ouviam seus ensinamentos enviados pelo deus Sol. Por sua vez, a história contada pelos jesuítas atribui Jurupari a uma espécie de demônio que visita os sonhos das pessoas, dando origem aos pesadelos, pois o ritual de Jurupari era o mais praticado na época da colonização. O ritual exclusivo para homens, inclui músicas com flautas, flagelações, tabaco e coca e alucinógenos.

Ceuci
Ceuci deusa
Deusa da lavoura e das moradias, representada pela estrela mais brilhante da constelação de Plêiades. Quando na Terra, era mãe de Jurupari, o enviado do Sol/Guaraci, se submeteu ao novo método patriarcal das tribos. As mulheres não podiam participar dos rituais de Jurupari, pois os deuses matariam a intrusa. Certa vez, Ceuci com saudade de seu filho, aproximou-se dele durante um cerimonial, e foi quando ela foi atingida por um raio, enviado por Tupã. Jurupari, também filho do Sol, foi enviado para ressuscitá-la, mas não o fez para não desobedecer a lei dos deuses. Ele a acalmou dizendo que iria brilhar no céu, e encontrar o deus Guaraci, e nesse momento, Jurupari chorou. Por isso, quando faz Sol e chuva ao mesmo tempo, os índios dizem que o espírito de Jurupari está por perto.

Akuanduba
Akuanduba
Uma divindade dos índios araras, toca a sua flauta para dar sustentação e ordem ao mundo, representando a harmonia divina.

Wanadi
Wanadi
Deus dos iecuanas, faz parte de um mito em que o Sol teria criado três seres vivos para habitar o mundo. Apenas Wanadi nasceu perfeito enquanto que os outros dois seriam responsáveis pelo mal do planeta.

Yebá Bëló
Yebá Bëló
Chamada de “mulher que apareceu do nada”, é citada como a responsável pela criação da humanidade segundo os Dessanas. De acordo com a lenda, teria moldado os homens e mulheres das folhas de coca que masca, chamadas de ipadu.

Caipora
Caipora
O nome caipora vem do tupi-guarani Caapora, e quer dizer "habitante do mato". Caipora é representado pela forma de um índio jovem, coberto de pelos e vive montado em uma espécie de porco-do-mato. Ele é o guardião da vida animal. É ele que estala os galhos, faz assobios e dá falsas pistas para desorientar os caçadores. Reza a lenda que Caipora seria canibal, se alimentando de tudo e todos que caçam nas florestas, punindo homens, insetos ou até outros animais. Caipora é responsável por punir, principalmente, aqueles que caçam além da necessidade.

Tupi
Tupi deus
Personagem primordial de todos os povos tupis. O antepassado principal, que deu origem à todos os índios. Por isso, muitas nações tupis criaram seus nomes como homenagens a tupi: tupinambás, tupiniquins, tupiminós, tupiguaés, etc...

Os deuses brasileiros




Gostou? Então curta nossa página no facebook.
Você vai adorar!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

42 comentários:

  1. Uma sugestão: que tal agora as divindades da Cultura Iorubá? Excelente post.

    ResponderExcluir
  2. Apesar de gostar do post, por incentivar o conhecimento sobre os Deuses Ancestrais dessa terra, gostaria de lembrar que ocorre aqui o mesmo que na Africa. Vários povos possuíam vários Deuses, alguns com o mesmo nome. Por exemplo, segundo as "palavras formosas" dos guaranis, Ñande Ru Tenondê (Nosso Pai Primeiro), diz a Tupã Ru Ete: "... tu terás a teu encargo o extenso mar e seus ramos e rumos em sua totalidade. Eu farei que tu te inspires e expires águas e trovões do frescor divino. E tu enviarás repetidamente à morada terrena os futuros Tupá de grade coração, aqueles que fluirão o frescor da fonte..."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gwara, onde eu posso encontrar esse material? Estou fazendo uma pesquisa sobre divindades indígenas brasileiras!

      Excluir
    2. Gwara, onde eu posso encontrar esse material? Estou fazendo uma pesquisa sobre divindades indígenas brasileiras!

      Excluir
  3. Gostei muito do post, onde posso encontrar mais informações? Quais foram as fontes?

    ResponderExcluir
  4. Bem legal! Podem indicar mais material?

    Thiago

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho um blog sobre cultura indígena, talvez te interesse. povosindigenasdobrasil.blogspot.com abraço

      Excluir
  5. Só Deus quebrado hein, não aguentaria um Fight contra Zeus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    3. Rá, Urano, Saturno(crônos), Terra(gaia), Itzama, Tupã, Wanadi, Yebá Bëlo, Aranãmi, Shiva, Brahmma, Vishnu...

      Tadinhos do Zeus e do Anubis qualquer um desses daria um pau neles.
      Todos criadores do universo...

      Excluir
  6. muito interessante, em toda minha vida, havia somente ouvido falar de um ou dois deles, mas nao como deuses, mas como seres do folclore, sem muita explicacao nem divindade.
    gostei muito, basta agora saber seus ritos, cultos e lugares ainda onde sejam praticados, fora das ocas ou tribos distantes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Segundo li no livro do Câmara Cascudo, os índios não tinham essa relação de fé, admiração e ritos com seus deuses.
      Eles tinham alguns ritos que foram passados por Jurupari, mas eram como leis sociais, mais do que de ritos de reverência.

      Excluir
  7. Cara.... Muito legal msmo, eu gostei, ou apaixonado por mitologia. Eu já tinha ouvido falar em alguns como Yamaná (mas ñ sabia o q era), Tupã (Esse eu já tinha ouvido falar muito dele, mas pensava q era o Deus sol, pq pensava q ele era o criador), Iara (é muito conhecida no folclore, mas sem muitos detalhes), Caipora (tmbm conhecido por curupira); E eu já tinha visto falar q tinha o Deus Sol e a Deusa Lua, o Deus guerreiro, o das leis e o a Flauta, mas sem nenhuma informação deles ou nomes.

    ResponderExcluir
  8. Excelente post. O tempo todo imaginei uma expansão do Age of Mythology com esses deuses. Parabéns.

    ResponderExcluir
  9. O post está bem didático. Mas, como explicou Câmara Cascudo em seu livro Geografia dos mitos brasileiros, a mitologia brasileira é uma colcha de retalhos, além de ser diferente de tribo para tribo, antes que alguém tomasse interesse em registrá-la, ela já sofrera influências do cristianismo.

    Como o exemplo de Jurupari, que era visto como um demônio, e Tupã que muitos acreditam ter vindo de uma onomatopeia referente ao som do Trovão, e que foi utilizado pelos jesuítas como forma de ilustrar o Deus católico.

    ResponderExcluir
  10. Mitologia Indígena=Brasileira.
    Um Senhor trabalho de pesquisa.
    Supera tudo que já foi feito pela História.
    História da burguesia colonisada.
    Agora ocupamos grande espaço vazio na Cultura Indígena.
    Isto daria para fazer um livro monumental.
    Este é Indispensável.
    Poderia ser muito bem Organizado
    Motivo para trabalho de Equipe.
    Esperamios que venha ser Realidade.

    ResponderExcluir
  11. Esta é apenas uma parte das sagradas tradições indígenas,que remonta a milenios e são transmitidas oralmente de avô pra neto e de pai pra filho.Karkará-Urú.

    ResponderExcluir
  12. Muito legal o tema! Gostei de aprender!

    Sou devoto de Vishnu há alguns anos e não entendi a correlação entre Jaci e Vishnu. Poderiam esclarecer?

    ResponderExcluir
  13. Deuses pagãos. Inventados pelo próprio ser humano. O Deus de Israel mostra quem é o único Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai tomar banho cara, ninguém chamou um ignorante sem cultura com você aqui OK. Pelo o que eu li ninguém disse que seguia esses deuses (tanto é que eles são bem.. antigos) e se seguisse era problema dela não seu.

      Excluir
    2. não, nunca mostrou nada! o seu deus é tão real quanto zeus :D

      Excluir
  14. Coloquem a fonte. Por favor. Eu preciso de livros sobre a mitologia brasileira. Pretendo participar de um projeto de divulgação.

    ResponderExcluir
  15. Cara estou sem palavras,deve ter dado trabalho fazer essa pesquisa, mas saibam que ao meu ver valeu a pena o esforço de vocês

    ResponderExcluir
  16. Sua pesquisa esta de parabéns por lembrar a nossa mitologia que o povo pouco conhece porem só pecou e não ter explorado mais a lenda da Iara que segundo a lenda não teve irmã apenas irmãos muitas pessoas não conhecem a origem de Iara apenas sabem que é uma sereia , o conto d Iara é muito bonito vou deixar abaixo um resumo da historia . ;)
    Iara ou Yara, do indígena Iuara “aquela que mora nas águas” é uma sereia (metade mulher, metade peixe) que vive nas águas amazônicas, possuidora de longos cabelos pretos e olhos castanhos, emite uma melodia que atraia os homens, que ficam rendidos e hipnotizados com seu canto e sua voz doce. Dona de uma beleza invejável, reza a lenda que os irmãos sentiam inveja de Iara, também considerada corajosa guerreira, e, por isso, resolvem matá-la.
    Todavia, a própria Iara no momento do embate, por possuir habilidades guerreiras, consegue inverter a situação e acaba matando seus irmãos. Diante disso, com muito medo da punição de seu pai, o pajé da tribo, Iara resolve fugir; contudo, seu pai consegue encontrá-la e como castigo pela morte dos irmãos, ele resolve lançá-la ao rio.
    Os peixes do rio resolvem salvar a bela jovem transformando-a numa sereia. Desde então, Iara habita os rios amazônicos conquistando homens e depois levando-os ao fundo do rio, os quais morrem afogados. Acredita-se que se o homem consegue escapar dos encantos de Iara ele fica louco, num estado de torpor e somente um pajé poderá curá-lo.
    A despeito de ser oriunda da região amazônica, a Lenda da Iara é conhecida em todo Brasil e pode sofrer algumas alterações, por exemplo, a cor dos olhos e dos cabelos da Índia, ora são escuros, ora são claros.
    Muitas vezes, a figura de Iara é confundida com o orixá africano Iemanjá, a rainha do mar.

    ResponderExcluir
  17. tenho pesquisado os indígenas a trinta anos e tenho tido uma grande dificuldade de mapear a religiosidade indígena, talvez a visitar a biblioteca da funai em brasilia, setor comercial possas encontar algo, mas muito dificil mesmo, estou escrevendo um paradidático sobre a religiosidade xukuru, é uma área com pouco material, parabéns,

    ResponderExcluir
  18. Amigo, parabéns pelo post, gostaria inclusive de usar algumas informações em um trabalho científico, mas infelizmente não encontrei o autor ou a fonte de seu trabalho, você poderia me informar para que eu possa dar crédito ao responsável em meu trabalho, desde já obrigado.

    ResponderExcluir
  19. Amei suas descobertas sou Umbandista e para mim é muito útil parabens caro amigos e muito sucesso.
    Sou pai Hulkinho de Oxossi Axé

    ResponderExcluir
  20. Gostei desses deuses principalmente Ceuci, deusa da lavoura e das moradias, que é representado pela estrela mais brilhante de plêiade.Isso mostra uma grande relação entre o homem deuses e as estrelas.

    ResponderExcluir
  21. Se percebe aí a grande ligação do homem,com as estrelas.

    ResponderExcluir
  22. Se percebe aí a grande ligação do homem,com as estrelas.

    ResponderExcluir
  23. Gostei desses deuses principalmente Ceuci, deusa da lavoura e das moradias, que é representado pela estrela mais brilhante de plêiade.Isso mostra uma grande relação entre o homem deuses e as estrelas.

    ResponderExcluir
  24. Muito boa essa postagem, parabéns!
    Adorei conhecer um pouco mais sobre os deuses brasileiros, que infelizmente são bem desvalorizados.

    ResponderExcluir
  25. Muito boa essa postagem, parabéns!
    Adorei conhecer um pouco mais sobre os deuses brasileiros, que infelizmente são bem desvalorizados.

    ResponderExcluir
  26. Muito importante não deixarmos a cultura destes povos tão maravilhosos desaparecer sem registro. O interessante é que há muita semelhança entre as culturas além mar. Parabéns!

    ResponderExcluir