Múmia que causava transe e 'se comunicava com pessoas' foi consumida pelo fogo no Museu Nacional no RJ


Múmia que causava transe e 'se comunicava com pessoas' foi consumida pelo fogo no Museu Nacional no RJ  - Capa

Muitas histórias sobre maldições de múmias intrigam o mundo e se tornaram praticamente parte da cultura popular, fazendo sucesso nos livros e nos filmes. Mas você sabia que uma dessas múmias super-raras e misteriosas estava no Museu Nacional no Rio de Janeiro?




Sim, ela era uma múmia muito rara, e apenas outras 8 no mundo inteiro tem as mesmas características, já que ela foi mumificada com um processo diferente, onde os membros são enfaixados individualmente, lhe dando uma aparência de boneca de pano. Pesquisadores acreditam que todas sejam parte da mesma família, já que foram encontradas na mesma tumba.

Mumia Kherima - Museu Nacional RJ

A arqueóloga Sheila Mendonça afirmou em entrevista ao jornal 'O Globo', em 2013, que o processo de mumificação de Kherima também se destacava por "valorizar as formas femininas", dando volume às mamas, quadril e abdômen. Além disso ela possuía mamilos bem marcados nas ataduras e unhas pintadas, algo que só foi constatado nessas 9 múmias encontradas todas na mesma tumba.

Essa múmia de 2 mil anos veio parar no Brasil em um caixote de madeira em 1824 trazida pelo comerciante Nicolau Fiengo e sua história está envolta em mistério. Dois anos depois, Dom Pedro 1º arrematou a múmia em um leilão e a doou ao então Museu Real, cujo acervo foi incorporado posteriormente ao Museu Nacional.

Mumia Kherima - Museu Nacional RJ - img 2

A múmia egípcia Kherima de fato era bem diferente, e ainda na década de 1960 ganhou fama com um mistério ainda inexplicado, ficando conhecida como "a múmia que causava transe e se comunicava com pessoas".

O mito da múmia Kherima se espalhou depois que algumas pessoas que a tocaram terem, supostamente, entrado em transes inexplicáveis. Algumas pessoas teriam afirmado que a múmia se comunicava com elas e outras sofreram "mal súbito".

Uma jovem que teria tocado os pés da múmia afirmou em transe que ela seria uma princesa de Tebas chamada Kherima, que foi assassinada a punhaladas.

Mumia Kherima - Museu Nacional RJ - img 3

Ainda na década de 1960 o professor Victor Staviarski, membro da Sociedade de Amigos do Museu Nacional, ajudou a reforçar seu misticismo dando cursos de egiptologia e escrita hieroglífica com a presença de médiuns e sessões de hipnose coletiva ao lado da múmia. Naquela época ainda não se tinha muito conhecimento sobre como preservar as múmias, por isso os alunos ainda podiam tocá-la, e suas reações inesperadas davam ainda mais força ao imaginário popular e ao enigma.

Embora existam muitas teorias científicas, esses mitos todos nunca foram completamente explicados, e devem permanecer como um mistério na história dessa múmia rara e insubstituível que, assim como milhões de outros itens inestimáveis, infelizmente acabou sendo consumida pelo fogo no trágico incêndio que atingiu o Museu Nacional em 2 de setembro de 2018.





Gostou? Então curta nossa página no facebook.
Você vai adorar!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentários