Por que é proibido fazer cocô nessa ilha 'novinha' que só surgiu em 1963


Por que é proibido fazer cocô nessa ilha 'novinha' que só surgiu em 1963 - Capa

Já pensou estar em uma ilha deserta? Seria um sonho? Mas e se você descobrisse que é proibido fazer cocô nessa ilha?... Pois é isso mesmo o que acontece na ilha Surtsey, na Islândia.




Com 1,4 km² e 155 metros de altitude o pequeno pedaço de terra surgiu somente em 14 de novembro de 1963, depois de uma erupção vulcânica que aconteceu alguns dias antes, sendo hoje em dia um dos territórios mais novos em nosso planeta.

A ilha é basicamente um amontoado de lava que o vulcão expeliu, mas oferece a ciência uma chance rara de estudar como acontece o desenvolvimento da fauna e flora em um território sem a nossa intromissão, e pode nos revelar informações importantes sobre os estágios iniciais de nosso planeta.

Ilha Surtsey - Islândia - Img 1

O acesso a ilha, que conta com apenas uma pequena casa de apoio, é restrito a pouquíssimos cientistas, e as regras para permanência no local são muito rígidas: é proibido gerar qualquer impacto humano no local, até mesmo fazer cocô!

O problema com o "nº2" começou quando um pé de tomate surgiu misteriosamente na ilha, onde a vegetação é extremamente escassa. Depois de muito investigar os cientistas descobriram que isso aconteceu porque alguém fez cocô naquele local, deixando com as fezes as sementes de tomate.

Ilha Surtsey - Islândia - Img 2

Infelizmente o pé de tomate teve de ser arrancado, já que a ideia é estudar a evolução do território sem nenhuma interferência humana.

As primeiras vegetações nativas eram compostas de musgos, mas pouco a pouco a paisagem deve mudar devido a chegada de pássaros que estão começando a fazer da ilha um ponto de parada.

O estudo do local deve levar décadas, e pode nos dar uma imagem bem clara de como acontece a formação e desenvolvimento de novos territórios em nosso planeta.





Gostou? Então curta nossa página no facebook.
Você vai adorar!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentários