Nem a NASA consegue explicar misteriosas linhas do Cazaquistão...


Nem a NASA consegue explicar misteriosas linhas do Cazaquistão...

O Cazaquistão, que algum tempo atrás já tinha intrigado o mundo com a "Cidade do sono", conseguiu surpreender com outro mistério...

O enigma da vez são linhas gigantescas que formam figuras geométricas grandiosas que só podem ser vistas do alto.

Linhas do Cazaquistão 2

Essas enormes estruturas no Cazaquistão são como valas escavadas no chão, que nunca tinham chamado a atenção de ninguém, e permaneceram "invisíveis" por muitos milênios, até que em 2007 o arqueólogo amador Dmitriy Dey identificou algumas estranhas formas geométricas através do 'Google Earth'.

Linhas do Cazaquistão - Google Earth

Depois disso vários especialistas começaram a investigar melhor o assunto, e até a NASA já está se dedicando a entender o que são exatamente essas marcas e o que elas significam.




As primeiras estimativas consideram que os geoglifos tenham cerca de 8 mil anos, ou seja, seriam muito mais antigos do que as famosas linhas de Nazca, no Perú, que têm 1.5 mil anos segundo os especialistas.

Linhas do Cazaquistão 3

Segundo um comunicado, a NASA já orientou os astronautas da Estação Espacial Internacional (ISS) a captarem o maior número de imagens possíveis das linhas do Cazaquistão, para que seja feito um estudo detalhado.

Linhas do Cazaquistão 4

Os cientistas acreditam que as linhas podem nos dar pistas importantes sobre as civilizações do passado, e quem sabe poderemos um dia entender por que esses povos desenhavam linhas que só podiam ser vistas do alto, em uma época que (até onde sabemos) o homem não tinha nenhuma tecnologia aeronáutica.




Gostou? Então curta nossa página no facebook.
Você vai adorar!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentários

  1. Deve ser algum extraterrestre pedindo socorro...me tirem daqui deste planeta dos seres desumanos,antes que eu vire o jantar deles.

    ResponderExcluir
  2. Se eu tivesse uma fazenda ia fazer essas pegadinhas também.

    ResponderExcluir

Postar um comentário